segunda-feira, 28 de junho de 2010

- tá vendo aquela flor ali, Bia?

- a roxa?

- essa não a outra, a mais comportada

- que outra?

- aquela branquinha ali no canto, quase escondida

- ah, tô vendo sim

- então

- que que tem ela?

- então, a primeira flor que eu pus no cabelo da mamãe foi uma daquelas

- antes das coisas acontecerem do jeito que foram?

- sim, a gente apaixonado e tudo mais

- por que você fez isso?

- porque a gente tava passando nessa exata rua e eu senti

- e aí você segurou a mão dela?

- uhum

- e por que não faz mais, papai?

os olhos baixos dele acompanham uma tosse contendo um suspiro

- deixa de pergunta difícil, querida, que senão a gente vai se atrasar

- mas você ainda queria pôr uma florzinha dessas no cabelo dela?

puxa a menina pelo braço resmungando

- sai do meio da rua, Bia, vai que algo nos atropela.

5 comentários:

naomefazpensar disse...

Faltou vontade, não oportunidade.

Germano Viana Xavier disse...

Você é bão, Sebastião.


Sigamos, bucaneiro.

Anna Beatriz disse...

De alguma forma incomum teu escrito me comoveu..
Pode ser pelo simples fato de eu ser Bia, ou não.

té mais

Luci disse...

eu como sempre terminei de ler com um mega "?"
's all right... nevermind!
gostei das virgulas, though
pra variar....

Ferdi disse...

O texto me encheu os olhos d'água.

ps.: Estou sabendo, sério.