quarta-feira, 9 de dezembro de 2009

deitado num banco acendo um cigarro olhando as nuvens
de bigode alemão e de nave espacial
sem dinheiro não quero voltar a pé
estou esperando algo acontecer
e não sinto esse cheiro no vento
nem de carona nem de ônibus
o conhaque está mais caro
os suspiros estão mais caros
e os sorrisos e os gestos nada mais é de graça
ou pelo menos tudo hoje requer dinheiro para ser feito
só quero dormir e esquecer das pernas
que ela já não se incomodava em fechar na minha presença
do cabelo fino perto da nuca e dos cigarros
devorados
abre a boca e fecha os olhos que aqueles mexicanos
estão nos encarando
já te disse pra não usar esse salto que ele me machuca
nem é porque você fica mais alta que eu
os pés mais suaves para a alma mais suja
talvez mais suja que a minha
a cerveja era tão amarga quanto hoje
mas era mais divertido sair sem pagar ou embebedar
o dono e seu cachorro antes de fazê-lo
quando começou a chover tudo o que você disse foi verdade
porque era mentira pela qual lutamos
grita comigo se você não tiver ido embora
e vamos voltar a fazer poesia
com a caneta e com os ossos
sem atrasos pra agora se você ainda estiver por aqui
e ainda quiser algo disso
e algo mais que ficar deitado nos bancos sem retocar a
maquiagem e os olhos seus que presumo borrados agora
me fale de sade que eu te falo de cortázar
antes do fim de um mundo que vi pela sombra
que era ideal e que não quero que tenha acabo
à força de minhas elocubrações
à força dos erros obsessivamente repetidos que revolvo
deitado num banco fumando um cigarro olhando a lua

Um comentário:

* L. disse...

Uma viagem em meio às nuvens à lá Bukowski, hell yeah