domingo, 10 de janeiro de 2010

Anoiteço à meia noite com você aqui
os dias são longos
só acabam na hora de chegar em casa e escrever poesia

você é de porcelana
fragilmente
rodopio ao seu redor
ao redor de momentos cristalizados
que retive num lugar anterior
à memória

bailarina de caixinha de música
pelas estradas sujas
faz evoluções, revolui
sem deixar rastro
sem perder o que delicado
mostra que é
mostra que transpira ânsia contida
prevenindo oscilações

com seu tom de voz aprendi a evitar extremos
porque o do sorriso é o da lágrima

3 comentários:

Rafael disse...

Muito legal, como sempre!
Não sei bem o que falar...
haha
Abraço

Eloisa disse...

Revolui. Neologismo?

Deixa rastro sem passar e no pingar da lágrima faz o riso. Isto é a tua poesia.

Nadja Reis disse...

''porque o do sorriso é o da lágrima ''



:E O DA LÁGRIMA É O DO SORRISO!
(completo eu)
...


Muito bom!


Sempre fico feliz quando encontro quem ainda curte poesia na blogsfera


xDD


bjoss